WhatsApp: (91) 8895-3102
S.O.S Sindmepa: (91) 99893386
Afiliado a:

Esclerose Múltipla pode ser controlada com diagnóstico precoce e tratamento

0

Estima-se que 15 a cada 100 mil pessoas tenham esclerose múltipla no Brasil. O último domingo (30) foi o Dia Nacional de Conscientização sobre a doença, data criada para dar visibilidade sobre esse mal que impacta de forma significativa a qualidade de vida das pessoas.

Doença autoimune, a esclerose múltipla ataca as células do sistema nervoso por engano, originando os sintomas da doença. Pode afetar a visão, causar desequilíbrio, dificuldade de locomoção, entre outros problemas, o que contribui para que os pacientes sejam mais suscetíveis à contaminação por covid-19.

A esclerose pode se manifestar em proporções diferentes em cada paciente. Aqueles que sofrem com a limitação motora e alterações na musculatura são os mais propensos ao vírus, pois necessitam da ajuda de terceiros. Mesmo os pacientes diagnosticados com o novo coronavírus, devem dar continuidade ao tratamento da esclerose, manter contato com a sua equipe de saúde e adotar o isolamento social.

Dentre os sintomas da esclerose múltipla estão a neurite óptica, quando um dos olhos apresenta falha, com a aparição de manchas escuras, seguida de dor. Outro sintoma é o desequilíbrio, resultado de lesões no tronco encefálico. O paciente também pode sentir tontura, cansaço, dores faciais, dificuldade para andar e segurar objetos, fadiga, formigamento e perda de controle da urina.

Apesar de não haver cura para a esclerose, alguns pacientes podem conseguir a remissão da doença, ou seja, ficar anos sem apresentar os sintomas. A enfermidade é tratada com medicamentos, como os imunomoduladores e imunossupressores, por isso é fundamental dar continuidade ao tratamento da doença e manter contato com o médico especialista.

Em casos de suspeita, o ideal é procurar a unidade de saúde mais próxima ou uma consulta em seu plano de saúde. O diagnóstico precoce e tratamento são essenciais no enfretamento da esclerose múltipla. Em Belém, o Hospital Ophir Loyola (HOL) mantém há 12 anos um Ambulatório de Doenças Desmielinizantes, doenças que afetam o sistema nervoso, entre elas a esclerose múltipla.

Com informações do UOL e Agência Pará

Leave A Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sindicato dos Médicos do Pará